20 March 2016

Hot Cross Buns, Easter and the Sweet World / O Sweet World, a Páscoa e uns Hot Cross Buns.


Hot Cross Buns vs. Simnel Cake


Time just flies by and it's time for another Sweet World Challenge.
We started the first edition of the Sweet World in the UK with the Queen of Puddings, last month we went to America with the Brooklyn Blackout Cake and this month we decided to go back to the UK for some Easter classics.
Yes, this month's theme is all about Easter.
There's two Easter classics in the UK that we love and, because we couldn't decide between the two of them, we decided that, this month, you'll have two choices.
You can choose between making Hot Cross Buns or a gorgeous Simnel Cake.
Either or both, the choice is yours!
I baked Hot Cross Buns and Susana baked the Simnel Cake and we are showing you both, so you can choose which one you want to bake.
If you choose the Hot Cross Buns, just keep on reading this post.
If you choose the Simnel Cake, just head up to Susana's blog and find out everything you need to know about this gorgeous cake.

Saying that, here are the rules:
  • You have until the 20th of April to make Hot Cross Buns or a Simnel Cake (or both if you wish).
  • That same day, 20th of April, Susana will let you know the theme for the next challenge.
  • If you're making the Hot Cross Buns, you'll have to leave the link for your participation here in this post in order to be featured in the round up.
  • If you choose to make the Simnel Cake, you'll have to leave the link for your participation at Susana's blog.
  • There'll be 2 round ups this month.
  • The Hot Cross Bun round up here, on my blog and the Simnel Cake round up on Susana's blog.
  • The round ups will be posted on both blogs on the 25th of April.

Hot Cross Buns: (facts and curiosities copied from this post)
  • A traditional hot cross bun is a yeasted sweet bun that's lightly spiced and studded with raisins or currants, then marked on top with a cross that's either piped in icing or etched into the dough.
  • While hot cross buns are now sold and enjoyed throughout the year, they were once reserved for Good Friday alone.
  • A 12th century monk introduced the cross to the bun.
  • The origins of hot cross buns may go back as far as the 12th century.
  • According to the story, an Anglican monk baked the buns and marked them with a cross in honor of Good Friday.
  • Over time they gained popularity, and eventually became a symbol of Easter weekend.
  • Hot cross buns gained popularity in Elizabethan England.
  • Towards the end of the 16th century, Queen Elizabeth I passed a law limiting the sale of sweet buns to funerals, Christmas, and the Friday before Easter.
  • The English were deeply superstitious, believed the buns carried medicinal or magical properties, and were fearful of those powers being abused.
  • Some even believed that buns baked on Good Friday would never go stale.
  • As a way to get around the law, more and more people began baking these sweet buns at home. Not only did they grow in popularity, but the law became too difficult to enforce and was eventually rescinded.
  • There are also more than a few stories that indicate hot cross buns were baked on Good Friday for superstitious reasons.
  • One tale states that buns baked on this day and hung from the rafters of a home would ward off evil spirits in the coming year.
  • Another talks of these buns protecting sailors from shipwreck, while off at sea.
  • Another version mentions that sharing the bun with a loved one guarantees friendship in the coming year.
Hot Cross Buns

Last year I baked the buns in the traditional shape and you can find the recipe here but, this year (and here comes the twists that we are allowed each month), I couldn't resist this Hot Cross Bun Loaf spiced with saffron that is featured in the March 2016 issue of Delicious magazine.
To be truthful, I'm not a huge fan of Hot Cross Buns and that's why I'm so glad that I chose this recipe!!
Both, texture and flavour, are so amazing and perfect that, literally, I had to stop myself from eating the whole loaf!!


ingredients (serves 10 to 12):
1tsp saffron strands
3 tbsp warm water
500g strong white bread flour, plus extra to dust
1/2 tsp salt
75g caster sugar
10g dried yeast
175ml whole milk, warmed
2 medium eggs, free range, beaten
75g salted butter, softened, plus extra for greasing
sunflower oil, for greasing
75g each currants, raisins and chopped candied peel, mixed (I only used dried cranberries and a mix of the candied peel).
clotted cream, to serve (I served with creme fraîche)
method:
Heat a small frying pan over a medium high heat.
Add the saffron and shake it around for a few seconds until it darkens very slightly.
Tip into a mortar to cool, then grind into a fine powder with a pestle.
Add the 3 tbsp of the warm water and leave to cool.
Sift the flour, salt, sugar and yeast into a bowl and make a well in the centre.
Add the saffron water, warm milk, eggs and 75g of softened butter. Mix lightly with your fingers until everything comes together into a slightly sticky (but not wet) dough.
If the mixture is too dry add 1 extra tbsp of water (I didn't need to add that extra water).
Turn the dough out onto a lightly floured surface and knead for 10 minutes or until silky smooth.
Put the dough into a lightly oiled bowl, cover with clingfilm and leave to rise in a warm place for 1 and 1/2 to 2 hours until doubled in size.
I put my bowl in the fridge overnight!
Turn the dough out onto a lightly floured surface and knock out the excess air.
Sprinkle over some of the mixed dried fruit, knead it in, then repeat with the remaining dried fruit until everything has been incorporated.
Return the dough to the oiled bowl, re-cover and leave to rise for 1 hour more, or until doubled in size.
Butter the loaf tin.
Cut the dough into 10 even pieces and knead them into quite tall rounds.
Arrange the rounds, side by side, in the tin.
Cover with cling film or put the tin inside a clean plastic bag and leave to rise somewhere warm for 1 hour, or until the dough has risen to the top of the tin.
When the buns are almost ready, heat the oven to 180°C.
for the decoration:
25g plain flour
1 tsp sunflower oil
2 to 3 tbsp cold water
method:
Beat the ingredients in a mixing bowl to make a thick but pipeable batter and then spoon into a piping bag and set aside.
Take the dough out of the bag, then pipe crosses over the top of each dough ball.
Bake for 35 to 40 minutes or until golden.
for the glaze:
75ml fresh orange juice
2 tbsp caster sugar or clear honey
method:
When the loaf is nearly ready, simmer the glaze ingredients in a pan and boil to a thick syrup.
Remove the loaf from the oven, then brush with the glaze while hot.
Cool on a wire rack and serve sliced, topped with clotted cream (I served with creme fraîche).

__________________

O tempo voa e já vamos para a 3ª edição do nosso Sweet World!
A 1ª edição começou no Reino Unido com o Queen of Puddings.
Viajámos na 2ª edição até à América e propusemos-vos o Brooklyn Blackout Cake.
Nesta 3ª edição, voltamos ao Reino Unido.
Nada de tendencioso, simplesmente adoramos dois clássicos Britânicos para esta época da Páscoa.
Sim, já perceberam, o tema para esta 3ª edição do Sweet World tem a ver com a Páscoa.
Ora bem, estando nós tão pertinho da Páscoa, tanto eu como a Susana, estávamos muito indecisas entre Hot Cross Buns e Simnel Cake (os tais dois clássicos Britânicos).
Depois de muita dissertação sobre o assunto e de alterarmos o tema variadíssimas vezes, decidimos no final, propor-vos um duplo tema!
Sim, é verdade, duplo!!
Eu fiz Hot Cross Buns e a Susana, fez o Simnel Cake e por isso vos apresentamos ambas as opções.
Ambos são muito típicos desta época Pascoalina e vocês escolhem qual querem fazer.
Ou um, ou o outro, ou, se quiserem, ambos. A escolha é vossa!
Se escolherem os Hot Cross Buns, terão de deixar o link da vossa participação, aqui, neste post.
Caso se decidam pelo Simnel Cake, deixarão o link da vossa participação no post do blogue da Susana, onde poderão encontrar desde já, as descrições e características fundamentais do Simnel cake.



Assim sendo, vamos ás regras:
  • Têm até ao dia 20 de Abril para fazer os Hot Cross Buns ou o Simnel Cake (ou, como especificado acima, ambos, caso queiram).
  • Nesse mesmo dia, 20 de Abril, será, no blogue da Susana, lançado o tema para a 4ª edição deste fantástico Sweet World.
  • Se se decidirem pelos Hot Cross Buns e, caso queiram fazer parte do round up mensal, terão de deixar o link da vossa participação aqui, neste post.
  • Caso se decidam pelo Simnel cake, deixarão o vosso link no blog da Susana.
  • Caso queiram fazer os dois, deixarão um link em cada um dos posts dos blogues respectivos, no meu (para os Hot Cross Buns) e no da Susana (para o Simnel Cake).
  • Haverá 2 round ups nesta edição.
  • O round up dos Hot Cross Buns e o round up do Simnel cake.
  • Ambos os round ups serão publicados no dia 25 de Abril, cada um no seu respectivo blogue (aqui, no Lemon & Vanilla para os Hot Cross Buns e no Basta Cheio para o Simnel Cake).

Hot Cross Buns: (factos e curiosidades retirados deste post)
  • O tradicional Hot Cross Bun é composto por bolinhas de massa lêveda e doce, cuja composição engloba especiarias e frutos secos, nomeadamente, passas de uva e groselhas secas.
  • As bolinhas são decoradas com uma cruz no topo.
  •  Hoje em dia, é possível encontrar Hot Cross Buns à venda em supermercados o ano todo, enquanto que em tempos remotos, estas bolinhas eram consumidas apenas e unicamente na 6ª feira Santa.
  • As origens da cruz no topo das bolinhas, remetem a um monge no Século XII.
  • Reza a história que no Século XII, um monge Anglicano, terá confeccionado os Hot cross Buns, tendo-os marcado com uma cruz no topo, em homenagem à 6ª feira Santa.
  • Os ditos bolinhos foram-se tornando populares e ganhado fama, especialmente durante o reinado da rainha Elizabete I e tornaram-se num símbolo da Páscoa.
  • Estavam a tornar-se tão comuns e corriqueiras que, nos finais do Século XVI, a Rainha Elizabete i emitiu uma lei proibindo a venda ou confecção dos Hot Cross Buns, a não ser que fossem confeccionados especificamente para serem consumidos em funerais, Natal e 6ª feira Santa.
  • Aparentemente, os britânicos, sendo um povo muito supersticioso, acreditavam que os Hot Cross Buns tinham propriedades medicinais e mágicas e receavam que esses poderes estivessem a ser abusados e vulgarizados.
  • Era tal a crença que, alguns chegaram mesmo a acreditar que os Buns confeccionados na 6ª feira Santa, nunca ficariam duros.
  • Por forma a contornar a Lei instituida pela rainha Elizabete I, estes bolinhos começaram a ser cada vez mais confeccionado (secretamente) em casas particulares, o que fez com que a Lei fosse difícil de manter e, eventualmente, tivesse de ser banida.
  • Existem várias histórias que relatam que, supersticiosamente, os Hot Cross Buns só eram confeccionados na altura da Páscoa.
  • Há uma lenda que diz que os Hot Cross Buns confeccionados numa 6ª feira Santa e pendurados dentro de casa, espantariam os espíritos malignos até à próxima 6ª feira Santa.
  • Outra lenda diz que, confeccionados nesse dia (6ª feira Santa), os Hot Cross Buns protegeriam os barcos de naufragar.
  • Outra das lendas diz que, partilhar um Hot Cross Bun com um ente querido na 6ª feira Santa, protegeria a amizade entre essas duas pessoas durante o ano seguinte.

Hot Cross Buns

O ano passado, fiz, pela primeira vez, Hot cross Buns no formato tradicional e mais comum. Podem ver a receita que está publicada aqui.
Este ano (e aqui entram em acção os tais "twists" que podem dar ás vossas contribuições, sem com isso alterar as characteristics fundamentais do tema), optei por fazê-los em forma de pão.
Não consegui resistir a estes Hot Cross Buns, cuja receita vem na revista Delicious deste mês de Março e cujas alterações são o facto de serem confeccionados em forma de pão e aromatizados e tingidos com a especiaria mais cara do mundo, filamentos de açafrão!
Para vos ser honesta, Hot Cross Buns (e embora adore massas lêvedas), não estão no topo das minhas preferências e por isso, e ainda bem, decidi-me por esta receita magnífica pois, quer em termos de textura, quer em termos de sabor, estes Hot Cross Buns são tão maravilhosos e viciantes que, literalmente (e acreditem) tive de me obrigar a parar de os comer, senão, lá se tinham ido todos!!!
Vamos então à receita!!
ingredientes (para 10 a 12 porções):
1colher chá de filamentos de açafrão
3 colheres sopa de água a ferver
500g farinha de trigo branca para pão + extra para polvilhar
1/2 colher chá bem cheia de sal fino
75g açúcar refinado branco
10g fermento de padeiro seco
175ml leite gordo, aquecido
2 ovos médios (de preferência biológicos), ligeiramente batidos
75g manteiga com sal, amolecida + extra para untar a forma
óleo de girassol, para untar a taça
75g de cada: groselhas secas, passas e casca de citrinos cristalizadas e picadas (eu só usei a mistura das cascas de citrinos cristalizadas e arandos secos).
clotted cream, para servir (eu servi com créme fraîche)



preparação:
Aquecer uma frigideira pequena sobre lume médio a alto.
Colocar os filamentos de açafrão na frigideira e aquecer por uns segundos, movendo-os, até que estes estejam ligeiramente tostados.
Colocar os filamentos de açafrão num almofariz, deixámos arrefecer um pouco e depois, reduzi-los a um pó fino.
Adicionar as 3 colheres de sopa de água a ferver e reservar.
Numa taça, peneirar a farinha, o fermento, o sal e o açúcar.
Fazer um buraco no centro da mistura e adicionar a água do açafrão, o leite morno, os ovos e os 75g de manteiga.
Misturar tudo muito bem com as pontas dos dedos, até tudo estar bem combinado e tiver obtido uma massa pegajosa, mas que não esteja demasiado molhada.
Caso achem que a mistura está muito seca, adicionar mais uma colher de sopa de água (eu não precisei).
Colocar a massa sobre uma bancada ligeiramente polvilhada com farinha e amassar por cerca de 10 minutos, ou até obter uma massa sedosa e macia.
Colocar a massa numa taça untada com óleo, tapar com película aderente e deixar levedar por cerca de 1 hora e meia a 2 horas, ou até esta ter duplicado de tamanho.
Eu pus a minha no frigorífico durante a noite e só avancei para o passo seguinte na manhã seguinte.
Voltar a colocar a massa sobre uma superfície enfarinhada e amassar, retirando-lhe o ar.
Polvilhar a massa com metade dos frutos secos e amassar. Polvilhar com os frutos secos restantes e amassar de novo, até tudo estar bem incorporado.
Voltar a colocar a massa na taça untada com óleo, voltar a cobrir com película aderente e deixar levedar por mais 1 hora, ou até ter duplicado de volume, num local aquecido e longe de correntes de ar.
Entretanto, untar com manteiga, uma forma tipo bolo inglês.
Depois de levedada, cortar a massa em 10 pedaços idênticos (os meus tinham mais ou menos 115g cada) e trabalhar cada pedaço, por forma a obter 10 cilindros com o topo e a base arredondados.
Colocar os 10 cilindros na forma, lado a lado e em pares, por forma a ficar com 5 pares.
Cobrir a forma com película aderente, ou colocá-la dentro de um saco plástico limpo e deixar levedar em local aquecido, por mais 1 hora, ou até os cilindros terem crescido até tocarem o topo da bordadura da forma.
Entretanto e quando virem que a massa está quase a tingir o ponto especificado, pré aquecer o forno a 180°C.
para as cruzes:
25g farinha de trigo branca
1 colher chá de óleo de girassol
2 a 3 colheres sopa de água fria
preparação:
Misturar todos os ingredientes, por forma a obter uma pasta e colocar essa pasta num saco de pasteleiro equipado com um bico redondo e fininho.
Destapar a forma e com o saco de pasteleiro contendo a pasta acima mencionada,  desenhar uma cruz sobre cada bola de massa.
Levar ao forno por cerca de 35 a 40 minutos, ou até os buns estarem cozidos e douradinhos.
para finalizar:
75ml sumo de laranja natural
2 colheres sopa de açúcar refinado branco ou mel claro (eu usei mel)
preparação:
Quando os buns estiverem quase cozidos, levar o sumo de laranja e o açúcar ou mel ao lume e ferver até obter uma mistura com consistência de xarope.
Retirar os buns do forno e pincelar toda a superfície com o xarope de laranja.
Desenformar e arrefecer sobre uma grelha.
Servir em fatias, cobertos com clotted cream ou algo mais ao vosso gosto.


Recipe / Receita: Delicious magazine - March 2016.